Programação

Horário: 19h

– Performance musical com o violonista André Luís, de Brumadinho.

André é um músico natural de Brumadinho. Formado em Violão Erudito pela UFSJ e em Violão Popular, Produção Musical e Arranjo pela Bituca; André trabalha em sua cidade natal no Estúdio Atmosfera oferecendo aulas e gravação de música. Também atua no projeto Batucabrum onde dá aulas de violão e faz apresentações musicais esporádicas em vários tipos de eventos.

– Palestra de Abertura:

COMO A ARTE CONTRIBUI PARA O DESENVOLVIMENTO

O cantor, compositor e instrumentista CARLINHOS BROWN vai partir de sua trajetória pessoal e experiências para demonstrar o alto impacto humano, social e de desenvolvimento econômico e sustentável da cultura. Nessa perspectiva, será destacado o papel fundamental da arte para a expressão e conquista de afirmação das identidades culturais locais, conhecimento, protagonismo, emancipação, autonomia crítica e autoconfiança. Essa palestra está em sintonia com os propósitos do programa CAMINHOS DA ARTE e suas diversas possibilidades para o desenvolvimento social e de geração de oportunidades de atividades econômicas e de renda, com impacto sustentável e bem-estar social individual e comunitário. Trata-se de uma reflexão que visa incentivar e preservar valores como respeito, igualdade e solidariedade.

Tema: ARTE QUE INSPIRA

Arte como fonte criativa para a vida, para quem cria e para quem vive a experiência cultural.  Esse encontro vai discutir a forma de se relacionar com o mundo, com a natureza e com o outro, tendo a arte como forma de expressão individual e coletiva, como memória e registro, como identidade cultural e convivência com a diversidade. Estarão em evidência os diversos saberes e inspiração para a enorme produção da economia criativa, como fonte de imaginação, ideias e inovação. Um estímulo à reflexão, à criação, sensibilização, emoção e motivação. A produção cultural local diz muito sobre uma Sociedade.

Horário: 19h

mediadora: Zélia Duncan 

Cantora, compositora, e escritora, Zélia Duncan já lançou 15 discos e completa 30 anos de carreira em 2020. Seu último álbum “Tudo É Um”, foi indicado ao Grammy Latino em 2019. Seu mais recente trabalho, o disco “Eu sou mulher, eu sou feliz”, gravado em conjunto por um elenco feminino, foi lançado em 2020.

Convidados:

Benedikt Wiertz (Ateliê Xakra 88)

Natural de Bonn, Alemanha, Benedikt é artista plástico, ceramista e professor. Atualmente, possui atelier no município de Brumadinho. Suas atividades se dividem entre o ensino, a produção e a pesquisa no âmbito das Artes Visuais. Desenvolve experimentações em cerâmica a partir da forma, das texturas e esmaltes, desconstruindo o paradigma da funcionalidade, integrando o material cerâmico com outras linguagens artísticas, como performances e instalações. 

Inês Antonini

Graduada em História e com Mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais, Inês Antonini dedica-se à pesquisa e ao ensino universitário da História, iniciando seus estudos em cerâmica na Southwest School of Arts and Crafts quando vivia em San Antonio, Texas. De volta ao Brasil, a artista escolhe pesquisar e trabalhar exclusivamente com a cerâmica. Tem seu atelier em Belo Horizonte e, desde 2005, tem também atelier e um forno à lenha – Anagama – em seu sítio na Serra da Moeda, região de Brumadinho, MG. Sua produção artística está ligada à exploração do barro enquanto matéria essencialmente plástica que, misturada a outros materiais, possibilita a experimentação de seus limites quanto à forma, escala e temperatura.

Jéssica Martins e José Alberto Bahia  (Saracura Três Potes)

José Alberto é artesão em Brumadinho, cria com Jessica Martins peças em cerâmicas no ateliê Saracura Três Potes. Passou pela faculdade de comunicação com ênfase em cinema, UNA, e Escola de Belas Artes com habilitação em pintura, UFMG, ambas em BH, MG. 

Jéssica Martins é artista visual graduada no curso de Artes Plásticas, com habilitação em Licenciatura na Escola Guignard – UEMG. 

Saracura Três Potes, projeto de José Alberto Bahia e Jéssica Martins, transforma cascas de sementes das árvores brasileiras e objetos utilitários que trazem narrativas específicas da cultura brasileira em cerâmica. Através do trabalho dos artistas, esses materiais ganham a forma de peças que vivem na memória como as latas de sardinha e copos lagoinhas. O ateliê foi criado em 2014, em Belo Horizonte, e estão em Brumadinho desde 2015. Receberam o 1º lugar do 5º Prêmio do Museu “A Casa do Objeto Brasileiro”, na categoria “Produção Autoral”, com a série “Cascas do Brasil”, em 2016. 

Tema: ARTE QUE LIBERTA

Arte e cultura como forma de expressão e de construção de autonomia crítica, conhecimento, emancipação, empoderamento e liberdade. A expressão artística e humana como prática da liberdade – fruição, vivência cultural, conhecimento, participação e envolvimento efetivo no fazer. Arte e cultura informam, participam de forma efetiva na sua história, raízes e origens, mas também na construção de perspectivas, oportunidades e destinos. Não existe memória sem cultura. Arte e cultura como base para reflexões e conhecimento, como canais de restauração da vida e do bem-estar.

Horário: 19h

Mediadora: Leila Ferreira 

Leila Ferreira é graduada em Jornalismo e Letras, com mestrado em Comunicação pela Universidade de Londres. Já lançou seis livros, entre eles o best-seller “A Arte de Ser Leve”, que já ultrapassou a marca de mais de 120 mil exemplares vendidos e foi publicado na Espanha. A mais recente de suas obras, “O Amor Que Sinto Agora”, alcançou a lista dos mais vendidos da Amazon no mês de seu lançamento. Já atuou como repórter da Rede Globo e, durante 10 anos, apresentou o programa “Leila Entrevista”, entrevistando mais de 1.600 pessoas, além de 13 séries internacionais.

Convidados

Dina Braga (Coletivo Negro por Negro, Brumadinho) 

Nasceu na comunidade Quilombola de “Rodrigues”, em Brumadinho – MG. Morou também nas comunidades Quilombolas de Marinhos e Sapé, sempre atuante nas culturas Quilombolas locais. Presidente e coordenadora do grupo Afro, Canto e Dança “NEGRO POR NEGRO”. Primeira capitã do Congo de São Benedito de Marinhos e Sapé. Idealizadora do grupo teatral “Arequiros”, do “Boi do Rosário” e da festa junina arraial do “Pelonha”. Noiva, coordenadora e presidente da Quadrilha Junina Grêmio Recreativo Arraial do Buscapé de Brumadinho. O Grupo Afro Canto e Dança Negro por Negro tem como finalidade preservar, fomentar e ressaltar a cultura afro-brasileira através de cantos e danças oriundos de seus ancestrais afro descendentes, como forma de expressão cultural a partir de ritmos africanos. Seu objetivo é promover a circulação e difusão dessa rica manifestação cultural em diversas regiões do país

Rosália Diogo

Rosália Diogo, Professora de Educação Básica na Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte. Jornalista. Mestra em Psicologia Social, pela UFMG. Dra. Letras/ Literatura, pela PUCMinas. Pós-doutora em Antropologia Social pela Universidade de Barcelona. Conselheira Municipal de Promoção da Igualdade Racial de Belo Horizonte. Curadora do Instituto Cultural Casarão das Artes. Diretora de Redação da Revista Canjerê. Chefe do Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado. Autora dos livros Mídia e Racismo, e Rasuras no Espelho de Narciso e co-autora de outras obras relacionadas ao tema do racismo e etnia. Foi curadora do Festival de Arte Negra nos anos de 2015 e 2019.

Tema: ARTE QUE TRANSFORMA

Arte e cultura têm enorme poder transformador na sociedade, com altíssimo impacto humano, social e econômico. Fator imprescindível para o desenvolvimento sustentável de qualquer sociedade e o bem-estar coletivo e dos valores humanos de solidariedade e respeito. Pessoas como sujeitos do desenvolvimento do ponto de vista estético, ético e social. O poder da arte de ressignificar a vida e reinventar-se. Criar, recriar, reciclar, superar e incluir.

Horário: 19h

Mediadora: Tábata Poline 

Formada em Comunicação Social Gestão Integrada pela PUC Minas, com habilitação em Relações Públicas e Jornalismo. Atualmente, é produtora e repórter do programa Rolê nas Gerais, da TV Globo. Com experiência em produção de eventos, assessoria de imprensa e agência de publicidade, atua na área da comunicação desde a época da faculdade. Na atuação como jornalista teve o trabalho reconhecido nos prêmios nacionais, Vladimir Herzog de Direitos Humanos, Synapsis Federação Brasileira de Hospitais, e estaduais, Prêmio CDL e Associação Mineira de Psiquiatria.

Convidados

Nil César (Casa do Beco, Belo Horizonte) 

Há mais de 25 anos é mobilizador sociocultural, artista teatral e, atualmente, administrador. Gestor e fundador da Casa do Beco (espaço sociocultural da comunidade em que nasceu), em sua trajetória já escreveu e dirigiu mais de 15 espetáculos e atuou em mais de 20. A Casa do Beco surgiu em 2003, a partir de uma trabalho artístico do Grupo do Beco. Localizada no Aglomerado Santa Lúcia – Morro do Papagaio, na região Centro Sul de Belo Horizonte, a instituição é um Ponto de Cultura desde 2010 e seu principal objetivo é promover o desenvolvimento humano e a transformação social por meio do fomento à produção e difusão cultural e artística.

Lecy Geovani e Sanráh (Batucabrum, Brumadinho)

Lecy é natural de Brumadinho. Educador musical na instituição Bernoulli de ensino e coordenador do projeto Batucabrum. Sua formação é licenciatura em música e pós-graduação no ensino da música e das artes. 

Sanráh é músico, produtor cultural, natural da cidade de Brumadinho-MG. Premiado em diversos festivais de música pelo Brasil. Grande experiência na área de projetos socioculturais e, desde 2008, está à frente do Projeto BATUCABRUM, com seu irmão, Lecy Geovani.

O projeto Batucabrum realiza oficinas na área social, educacional, ambiental e artística, envolvendo dezenas de crianças e adolescentes em situação de risco no município de Brumadinho. Seu objetivo é ajudar a desenvolver a sensibilidade e a criatividade humana para formar cidadãos capazes de contribuir ativamente em mudanças socioculturais necessárias para a construção de uma sociedade mais ética e digna.

OFICINAS GRATUITAS ONLINE

Inscrições: até 16/11

Resultado da seleção:

Link: www.cdabrumadinho.com.br 

Informações para o público: Instagram e Facebook | @cdabrum

 

  • BORDADO CRIATIVO – O USO DA TECNOLOGIA EM PROCESSOS ARTESANAIS, COM ITAMARA RIBEIRO

 

Datas: 30 de novembro, 2, 4, 9, 11, 14, 16 e 17 de dezembro 

Horário: 15h às 17h

A oficina vai capacitar a produção de artesanatos com uso de bordado criativo através da ativação das memórias cotidianas de cada participantes. Também vai promover o acesso à cultura por meio da indicação de artistas contemporâneos do bordado e das artes têxteis. 

com Itamara Ribeiro

Artista visual formada pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), onde

desenvolveu sua pesquisa artística em Poéticas Visuais na linha de processo de criação. Ela é especialista em ensino de Artes Visuais e Tecnologias Contemporâneas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente, pesquisa as dobraduras do desenho através de colagem e bordado voltados para questões femininas. Nos últimos quatro anos, em Belo Horizonte, participou de diversas exposições, intervenções urbanas e oficinas que propõe um novo olhar sobre a cidade, sobre os fazeres manuais e sobre como enxergamos as linguagens artísticas e suas possibilidades.

 

  • CANÇÕES PARA BRUMADINHO, COM BABAYA MORAIS

 

Datas: 27 de novembro, 4, 11 e 18 de dezembro

Horário: 14h às 18h

A oficina vai oferecer aulas de aquecimento vocal para que os participantes possam utilizar a voz de forma correta, interpretar e cantar com prazer. Além disso, vai trabalhar um tema musical para pesquisa e um fio condutor de uma possível apresentação on-line, que que também servirá como ferramenta de estímulo e desenvolvimento dos participantes.

com Babaya Morais

Professora de canto na Babaya Casa de Canto, recebeu 2 prêmios Shell por Melhor

Direção Musical, Direção de Texto e Prosódia para atores na Rede Globo. Tem em seu

curriculum 204 espetáculos trabalhados com a música e o teatro.

 

  • FOTOGRAFIA PARA CELULAR, COM ALEXANDRE LOPES

 

Datas: 1º, 3, 4, 10, 11, 15, 17 e 18 de dezembro

Horário: 19h às 21h

Esta oficina pretende ajudar o aluno a produzir fotografia e vídeo móvel, usando o telefone celular/smartphone com mais eficiência e criatividade, melhorando e se destacando no processo de comunicação visual, pessoal ou corporativa. Vamos compreender um pouco da sua história, seus desdobramentos, os equipamentos e acessórios disponíveis, seus recursos básicos, alternativas de produção criativa, utilizando soluções simples e acessíveis.

com Alexandre Lopes

Alexandre Lopes: Profissional com ampla e diversificada experiência no campo das Artes Visuais, iniciando atividades nos anos 80, desde então atua como fotógrafo e educador. Graduado em Design Gráfico pela Escola de Design da UEMG. Pós-graduado em Pesquisa e Ensino no Campos das Artes Plásticas pela Escola Guignard, ainda nos anos 2000 torna-se docente em cursos de graduação, lecionando disciplinas de fotografia. Desenvolve por meio de parcerias, consultorias, oficinas e cursos ligados à fotografia e seus desdobramentos. No campo de pesquisa, provê material visual para estudos acadêmicos, projetos de TCC e projetos de artes visuais autorais. É voluntário em projetos sociais como educador visual. Emprega de modo exclusivo a fotografia analógica, com diferentes formatos, processos e suportes; o prazer em transmitir conhecimento é uma característica inerente.

 

  • O QUE A MINHA HISTÓRIA ME CONTA, COM FERNANDA RAMOS E WALKÍRIA TÉRCIA

 

Datas: 30 de novembro, 2, 7, 9 e 14 de dezembro;

Horário: 14h30 às 17h30

Esta oficina é uma oportunidade de autoconhecimento e autodesenvolvimento em grupo. É um convite a olhar para sua história de vida: analisar, honrar, celebrar e visualizar como quer que seja seu futuro.

com Fernanda Ramos

Psicóloga, artesã, empreendedora criativa e facilitadora de processos de desenvolvimento  humano e organizacional com base antroposófica. Formada pela UFSJ – São João del Rei/MG, atualmente em formação em Biografia Humana pela Trinus/RJ. Apaixonada por um bom café e por costurar encontros com conexão, afeto e profundidade.

com Walkíra Tércia

Educadora, facilitadora de processos de desenvolvimento humano, atua no Programa Germinar. Em formação em Biografia Humana pela Trinus/RJ. Mãe de três mulheres, poetisa, sonhadora, apaixonada e encantada por histórias de vida e pela Cultura Popular.

 

  • DESENHO PARA NÃO DESENHISTAS, COM BINHO BARRETO

 

Datas: 30 de novembro, 3, 10, 14 e 17 de dezembro

Horário: 19h às 21h

A oficina é voltada para quem acha que não sabe desenhar ou que desenha eventualmente mas quer melhorar o traço. O conteúdo é composto por referências, conversas e exercícios com o objetivo de desbloquear e aprender algumas técnicas de desenho.

com Binho Barreto

Desenhista, pintor, muralista, designer gráfico, professor e escritor. Estudou Artes Plásticas na Escola Guignard/UEMG. É doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela UFMG. Seus interesses permeiam temas como artes visuais, literatura, culturas urbanas e cidadania. Publicou os livros Perímetro urbano (sobre a sua trajetória com o graffiti), O Livro dos vivos (contos) e Comboio (literatura infantil). Ilustrou semanalmente, por oito anos, para o jornal Folha de S. Paulo. Teve ilustrações publicadas pela Editora Abril, Editora Globo, MTV Brasil e Uol. Produziu murais a convite da Fiat Automóveis, Decolar.com e Banco do Brasil. Atuou também como curador em iniciativas artísticas como BDMG Cultural, TAU e Mural Liberdade. Expôs em mostras individuais e coletivas no Brasil e no exterior. Vive e trabalha em Belo Horizonte.

 

  • EDIÇÃO DE VÍDEOS PARA INICIANTES, COM RODRIGO OLIVEIRA

 

Datas: 9, 11, 14, 16 e 18 de dezembro

Horário: 19h às 21h

A oficina vai apresentar conteúdos de criação audiovisual a partir de estudos de conceitos e técnicas da área.  Durante as aulas, os alunos vão aprender sobre as etapas de criação de um vídeo — pré-produção, produção e pós-produção. Há também a sugestão de registro de suas rotinas para reflexão coletiva sobre as atuais conjunturas e criação de um filme multiautoral.

com Rodrigo Oliveira

Rodrigo Oliveira é realizador audiovisual há mais de 15 anos. Trabalhou 7 anos na Rede Minas/ TV Cultura. Prestou serviços para algumas produtoras de Belo Horizonte (Guerrilha, Quarteto, Nitro e Imago). É co-fundador da LAVA — Produtora Criativa de Fotografia e Vídeo, com foco na área cultural — e do Road Movie Paçoca. Vive e trabalha em Belo Horizonte.